• Imagens

Você sabe como escolher um medidor de glicose?

Hoje vamos conversar um pouco sobre os medidores de glicose disponíveis no mercado. Existem várias marcas de vários laboratórios diferentes. Existem laboratórios que disponibilizam para comercialização mais de um modelo diferente. É importante ressaltar que os aparelhos de glicemia servem para dar um parâmetro se a glicemia está controlada ou descontrolada. Valores fornecidos pelos aparelhos não servem como diagnóstico de diabetes. Somente o médico através da análise de exames mais específicos poderá diagnosticar a doença.

Não olhe só o preço do medidor de glicose

Para escolher um monitor de glicemia é importante pensar em alguns pontos de vista além do preço. Um ponto importante a se pensar é na quantidade de exames que serão realizados, porque a maioria dos aparelhos vem com 10 tiras testes, o lancetador e 10 lancetas. Após a utilização dessas 10 tiras testes será necessário a reposição das tiras e das lancetas.

Leve em conta quantos exames vocês faz no dia

Existem pessoas que fazem vários exames durante o dia, consequentemente, mensalmente utiliza uma quantidade de tiras muito grande. Para esses casos o indicado é escolher um monitor que apresenta para comercialização caixa com tiras com uma quantidade maior, por exemplo, com 50 tiras, com 100 tiras ou até mesmo com combos promocionais. Existem pessoas que fazem poucos exames, às vezes um por dia e até mesmo um por semana. Neste caso um monitor de glicemia que só apresenta caixa com uma quantidade maior de tiras não vai ajudar porque quando se faz pouco exame de glicemia vão sobrar muitas tiras na caixa podendo chegar ao vencimento e com isso perdê-las.

Existem laboratórios que apresentam opções com 10 e 25 tiras, assim quem faz pouco exame não precisa comprar uma caixa com 50 tiras e perdê-las com o vencimento, porém quanto maior o número de tiras, menor o preço individual da tira, paralelamente concluímos que uma caixa com maior quantidade de tiras compensa muito para quem faz muitos testes e uma caixa com poucas tiras compensa para quem faz poucos testes.

Caneta lancetadora

Para realizar a punção do sangue na ponta do dedo os laboratórios desenvolveram uma “caneta” lancetadora, onde a agulha denominada lanceta fica guardada dentro do lancetador e com um apertar de botão é disparada realizando o furo. É muito prático porque você pode ajustar o grau de perfuração de acordo com o volume de sangue, sendo necessário a troca da lanceta a cada perfuração efetuada. Existem pessoas que reutilizam a lanceta por não achar necessária a troca toda vez que fura. Este hábito é errado porque se trata de um perfuro cortante contaminado com sangue e nunca deve ser reutilizado.

Existem caixas com menor quantidade de lanceta e maior quantidade de lanceta a escolha conforme a quantidade de exames realizados.

Além das lancetas para a reposição no lancetador existe uma lanceta de uso único que não requer o uso da caneta lancetadora. São práticas e ativadas pelo contato e pressão exercida na ponta do dedo.

A limpeza do local pode ser feita com água e sabão. Existem disponíveis sachês individuais embebidos em álcool 70 que realizam a assepsia de uma forma prática e rápida para a realização da punção.

Garantias dos Medidores de Glicose

Normalmente os aparelhos de glicemia não apresentam defeitos, mas a maioria dos laboratórios garante a troca do aparelho e a garantia vitalícia caso o modelo venha a ficar obsoleto sem nenhum ônus para o cliente.

Tiras

É importante lembrar que as tiras de um aparelho não servem para outro aparelho de outro laboratório. Cada modelo de aparelho tem a sua fita específica. Alguns aparelhos precisam de codificação da tira para realizar um exame fidedigno e alguns não requer codificação.

Existe um monitor de aferir a glicemia que não requer o furo do dedo. Você introduz um sensor que fica por 14 dias no braço, que afere a glicemia no líquido intersticial e a transmissão desses dados é feita aproximando o monitor. Muito prático, com a vantagem de não utilizar tiras, lancetas e não utilizar sangue para a leitura.

Fique atento ao comprar o seu aparelho e busque informações com o atendente que lhe vender para entender direitinho o funcionamento e assim poder fazer seus testes de forma prática e rápida, sem perder tiras. Ler o manual que vem junto com o monitor também vai ajudar muito.

Fonte: Farmacêutica responsável: Dra. Débora Cristina Vissotho Spinola Oliveira - CRF/SP: 48923-SP